quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Arena Corinthians está sendo construida de forma custumizada para o seu torcedor

Quando pisarem no campo, os jogadores estarão 777 metros acima do nível do mar. O número se refere à histórica conquista do Brasileiro de 77 e ao endereço do clube (rua São Jorge, 777).

Esse é um dos detalhes, que esta no projeto da Arena Corinthians, que vai além de detalhes de arquitetura e engenharia: O Corinthians customizou o projeto do estádio incorporando sua história, rivalidade, torcida e superstição.


A customização começa pelos vidros internos, externos e das estruturas da arquibancada, esses vidros não correm risco de esverdear. Do tipo "clear vision ultra-white", virão da Itália. Nem tudo o que foi encomendado será seguido à risca. Alguns anseios esbarram na tecnologia.
Chegou-se a planejar que a grama fosse preta. Porém se descobriu que o tom mais próximo que se alcançaria seria o cinza, e a grama não teria a resistência suficiente para suportar jogos de futebol.

A solução foi encomendar grama de inverno, verde-escura, diferente da de outras arenas, que fica amarelada.

Essa grama necessita que suas raízes sejam constantemente refrigeradas e que sua drenagem seja feita a vácuo. Suas raízes são verticais diferentemente das de outros tipos-- e, por isso, não se enroscam na trava da chuteira, favorecendo o toque de bola.

O perfil aerodinâmico da cobertura refletirá ao interior da arena os ecos dos torcedores, amplificando-os. Para reforçar a máxima da "torcida que tem um time", foram banidas da programação visual homenagens a atletas. As imagens serão da torcida.

Apesar de vir da estação de metrô Artur Alvim, torcedores adversários não poderão ocupar o setor norte, atrás do gol da Radial Leste. Terão que dar a volta e entrar pelo setor sul, os corintianos não querem ver na plataforma frontal cores rivais.

A "customização" não impactou o orçamento. "As parcerias de descontos que o Corinthians fez e as negociações da Odebrecht fizeram [os custos] descer", diz Anibal Coutinho, do escritório Coutinho, Diegues, Cordeiro Arquitetos, responsável pelas obras.

Fonte: Folha S.Paulo


Nenhum comentário:

Postar um comentário